10 alternativas comprovadas no tratamento da depressão

14411_520464328094671_99898964544514941_nSem dúvida nenhuma, a depressão é uma doença que deve ser tratada com bastante seriedade. Entretanto, como já dissemos anteriormente, muitos médicos estão diagnosticando antidepressivos à pacientes que sequer possuem os sintomas da doença.

Momentos de angústia natural a todo ser humano têm sido tratados de maneira totalmente irresponsável, tanto por pacientes que não optam por outros métodos, como pela maioria destes médicos, que visam o retorno financeiro e não exitam em receitar antidepressivos.

O mais correto é utilizar esses medicamentos em casos mais graves de depressão e experimentar outras alternativas. Existem atividades que podem auxiliar pessoas que não possuem nenhuma doença, mas que pretendem afastar a tristeza cotidiana; como também ajudar pacientes realmente doentes, colaborando com o tratamento e até mesmo diminuindo a dosagem de antidepressivos.

Confira abaixo algumas dessas alternativas:

1. Meditação:
Quando você está deprimido, pensamentos negativos são despejados em sua mente como água em uma enchente. Você fica paralisado pelo medo e desamparo, porque sente que nada pode manter esses pensamentos sob controle.

Nada – exceto a meditação.

“No trabalho de grupo que fiz com pessoas que sofrem de ansiedade ou depressão, eu encontrei na meditação algo muito benéfico, porque acalma a mente”, diz a psicóloga Katie Sparks.

Isso acontece porque você está propositalmente trazendo a atenção para o momento presente, o que ajuda a ver as coisas sob uma nova perspectiva. Então, da próxima vez que você se sentir depressivo novamente, arrume um tapete confortável, sente-se em posição de lótus e diga Ohm.

2. Rir
Talvez a meditação não seja o seu lugar, provavelmente você prefira fazer alguma coisa que levante seu astral dentro de segundos, em vez de algo que leva várias semanas para trabalhar.

Nesse caso, tente se expor a coisas engraçadas como filmes, livros ou teatros. Como dizem, a risada é o melhor remédio. Não importa se o que te faz rir é infantil ou estranho, o que importa é que você comece o quanto antes a sua dose diária de comédia.

3. Não se isolar
A depressão é um monstrinho manipulador e malicioso. Todos os dias, ele se senta em seu ombro e sussurra no seu ouvido sobre quão inútil você é e como você não merece estar próximo de outras pessoas.

Não dê ouvidos a ele.

“Na depressão, o isolamento social normalmente serve para piorar a doença e como nos sentimos”, diz Stephen Ilardi, PhD, professor associado de psicologia e autor do livro A Cura da Depressão. Aparentemente, a retirada de interações sociais aumenta o estresse no cérebro. Dessa forma, sempre mantenha contato com pessoas que são importantes pra você.

4. Cortar pessoas tóxicas
Por outro lado, você não estará fazendo nenhum favor a si mesmo por sair com pessoas que desconsideram sua situação.

Como diz Deborah Serani, autora do livro Viver com Depressão: “Parte de viver com a depressão requer que você aprenda a reformular pensamentos negativos em positivos. Dessa forma, incluir pessoas em sua vida que são afirmativas, afetivas e aceitam quem você é, irá auxiliar melhor seu crescimento através de um ambiente de cura.”

5. Substâncias alternativas
É preciso ter cuidado com certas substâncias enteógenas e/ou psicoativas. Ambas possuem propriedades antidepressivas, mas também têm potencial para se tornar agravantes da doença mental. É preciso muita precaução e uma boa pesquisa antes de utilizar qualquer uma dessas ou outras substâncias.



6. Acupuntura
De acordo com um estudo publicado na revista Obstetrics & Gynecology, a acupuntura pode aliviar a depressão. Quando os pesquisadores administraram a acupuntura específica para depressão em 150 mulheres grávidas, 63% relataram que seus sintomas melhoraram. Apesar da necessidade de realizar mais testes para chegar a uma conclusão definitiva, não há como negar o que já foi mostrado no estudo. Além de outros inúmeros benefícios já comprovados no tratamento da acupuntura, o que não deixa dúvidas que essa pode ser uma ótima alternativa.

7. Ingerir alimentos saudáveis
pesquisas notáveis sobre como a vitamina D pode aliviar a depressão. Mas também há outros nutrientes que auxiliam muito no tratamento, como aminoácidos, ácido fólico, iodo, ferro, magnésio, ômega-3 ácidos graxos, selênio, vitaminas do complexo B e zinco. Felizmente, alguns destes nutrientes se encontram nos alimentos mais comuns do dia a dia.

Quanto aos alimentos que você deve evitar: álcool, cafeína, adoçante artificial, óleo hidrogenado, alimentos industriais, açúcar refinado e alimentos ricos em sódio. Todos estes podem causar estragos em seu sistema nervoso, desestabilizar os níveis de açúcar no sangue, danificar o cérebro, dentre outros malefícios.

8. Exercícios físicos
A depressão desgasta todos os resquícios de energia do seu corpo. No entanto, a atividade física é algo que ainda vale a pena tentar, pois já é comprovada a sua eficácia com relação aos antidepressivos.

O exercício físico libera no cérebro substâncias que proporcionam uma sensação de paz e de tranquilidade. São as endorfinas, neuromediadores ligados à génese do bem-estar e do prazer. Por ser um potente liberador de endorfina, o exercício físico cria a boa dependência quando praticado regularmente, e faz falta como faria qualquer outra substância associada ao prazer. É altamente eficaz no combate ao stress e ansiedade e quando é moderado e regular, descontrai o corpo e ativa o sistema imunitário.

9. Cuidar de um jardim
Não pode trazer de volta seus antigos hobbies? Tente se dedicar à jardinagem. Cuidar de um jardim pode produzir mudanças fisiológicas e melhorar a saúde física e mental. Uma dessas mudanças pode ocorrer como resultado do simples ato de colocar as mãos no solo.

Um estudo conduzido por pesquisadores da Universidade de Bristol, mostra que o contato com uma espécie natural de bactérias presentes no solo, Mycobacterium vaccae, faz o corpo liberar substâncias químicas vitais do sistema imunológico chamadas citocinas. Estas, por sua vez, estimulam o cérebro a produzir o neurotransmissor serotonina.

Além disso, você tem a vantagem de obter alimentos frescos e orgânicos direitos do próprio quintal. Pode ser um tratamento natural muito eficaz!

10. Trabalho voluntário
Em algum momento, falar sobre depressão com pessoas que você já conhece não vai ser suficiente. Você irá querer sair fora de seu círculo social e procurar a companhia de outras pessoas. Isso é um bom sinal.

Procure organizações cuja missão você se identifica e ofereça seus serviços. Assim você poderá reduzir os sintomas da depressão, aumentar o seu bem-estar e reduzir o risco de mortalidade em 22%, conforme diz um estudo publicado no BioMed Central.

Bônus: Nunca parar de lutar
Aqui está um fato sobre a depressão: Há uma possibilidade de você ter que lutar contra ela o resto de sua vida. Isso porque ela tem um péssimo hábito de aprontar e te golpear quando você menos espera. Primeiro você deve agir com sabedoria e aceitar essa situação no momento presente, ao contrário de fugir dela.

Resistir é pior e ninguém se cura de uma aflição a não ser sofrendo-a intensamente, como nas palavras de Carl Jung: “O principal objetivo da terapia psicológica, não é transportar o paciente para um impossível estado de felicidade, mas sim ajudá-lo a adquirir firmeza e paciência diante do sofrimento. A vida acontece num equilíbrio entre a alegria e a dor. Quem não se arrisca para além da realidade jamais encontrará a verdade.”

Uma excelente explicação sobre esse ensinamento “paradoxal” encontra-se no livro O Poder do Agora, é uma leitura altamente recomendada.

Acredite, você é o único que pode trazer o equilíbrio de volta, e usando as dicas acima você será sempre capaz de vencer!

(por Waking Times | Traduzido e adaptado por Despertar Coletivo)

Compartilhar: