As Leis da Criação

leisDe acordo com o site original, Bashar é um ser extra dimensional que se comunica conosco há mais de 20 anos através do médium Darryl Anka, trazendo uma onda de novas informações que nos explica o funcionamento do Universo e como cada um de nós cria a própria realidade que vivencia.

Em uma de suas palestras, ele falou a respeito de quatro leis na criação que nos permitem experimentar tudo aquilo que experimentamos. Confira abaixo, nas palavras do próprio Bashar:
 

As Quatro Leis da Criação:

Antes de mais nada, quando conversamos sobre leis, não estamos falando acerca do tipo de leis que vocês têm no seu planeta, as quais são regulamentações e normas arbitrárias que podem ser quebradas, mudadas, reescritas ou ignoradas.

A ideia está até mesmo além do que vocês chamam de leis da física, porque mesmo algumas delas estão intimamente relacionadas apenas com a sua realidade universal particular; em outras dimensões, muitas das chamadas leis não se aplicam efetivamente.

Estamos falando sobre leis reais, porque elas não podem ser quebradas: é impossível. São as quatro leis que dão estrutura à totalidade da criação.
 
Primeira Lei: Vocês Existem
A lei número um é que vocês existem. O que isso efetivamente significa quando levado à sua compreensão lógica final é que, se vocês existem agora, sempre existirão e sempre terão existido.

Conseqüentemente vocês talvez mudem de forma, porém sempre existirão de algum modo, em algum formato. Porque a qualidade do que Eu Sou, constitui a única qualidade que tem a existência.

Ela não sabe como se tornar não-existência. A não-existência já está repleta com todas as coisas que jamais existirão, não existe espaço na não-existência para o que de fato existe.

Aquilo que existe tem apenas uma qualidade: Ser de modo que é a única coisa que sempre será.

Então, vocês de fato existem e sempre existirão — portanto relaxem!
 
Lei 2: O Uno é todos e todos são o Uno
Isso significa simplesmente que todos os pedaços reunidos formam Um, e que o Uno é aquele que conhece a Si mesmo simultaneamente como todos os pedaços e também como Um.

O que isso significa é que a criação não é separada do Criador, mas é feita do Criador e que não existe uma exterioridade em relação a isso.

Tudo que existe — cada pessoa, lugar, coisa individualizada; cada conceito distinto — é uma parte da mesma totalidade única.

Além disso, holograficamente, cada parte isolada é o Todo expressando a si mesmo como uma parte do Todo.

Portanto, o Uno é todos e a totalidade é o Uno.
 
Lei 3: Aquilo que você envia é o que você recebe de volta.
Muito simples. A energia que vocês emitem baseada nas suas crenças, nas suas emoções, no seu comportamento — sua freqüência vibracional — é o que determina a espécie de experiência de realidade que vocês têm, porque a realidade física não existe exceto como um reflexo daquilo que vocês acreditam com mais intensidade que é verdadeiro para vocês.

Isso é tudo o que é a realidade física. É literalmente como um espelho.

Se vocês olharem num espelho e virem o seu rosto franzido, vocês sabem que não há como ficar de frente ao espelho e tentar forçar a imagem a sorrir.

Vocês sabem que, se quiserem ver a imagem sorrir, primeiro devem sorrir.

Não existe modo de mudar o reflexo sem que vocês sorriam primeiro, mas, inversamente, vocês também podem compreender que, quando decidem sorrir, a imagem não tem escolha exceto retornar o sorriso, pois ela não tem uma autonomia própria.

Então a ideia a captar, é que a realidade física é na verdade muito semelhante a um espelho; ela não vai mudar até que vocês mudem primeiro. Mas se vocês efetivamente mudarem, ela não tem escolha exceto a de acompanhar, pois é apenas um reflexo daquilo que vocês apresentam.



 
Lei 4: A mudança é a única constante. E tudo muda, exceto as primeiras três leis.
Um, dois, três, quatro, é isso aí! Toda e qualquer experiência que vocês tiveram até hoje, estão tendo agora ou chegarão a ter algum dia — está baseada numa combinação dessas quatro leis em graus variáveis. É isso.

A quarta lei se resume no simples estado de saber que vem das ideias de rendição, entrega, abandono — de abrir mão. Nós compreendemos que boa parte das definições que muitos de vocês têm referentes às palavras rendição, entrega e abandono são rotuladas como uma perda de alguma espécie, uma falta de controle. Não é o caso. Se pudéssemos apresentar nossa definição, abandono é abrir mão do conceito de quem você pensa que se imagina que seja e efetivamente ser quem você é — porque quem você é são possibilidades ilimitadas.

Quando vocês se permitem a entrega à ideia e à experiência de que foram criados na imagem do Infinito (o que significa que vocês também são infinitas possibilidades), então a realidade física (que é apenas um espelho) pode refletir para vocês essas possibilidades ilimitadas sob a forma de sincronicidades, à medida que elas naturalmente se manifestam na sua vida física do dia a dia.

A entrega é na realidade a aceitação do seu Ser total.

Nesse sentido, não se trata de renunciar a seu Ser total, desistir dele, como muitos de vocês foram levados a acreditar a partir das definições que seu mundo lhes forneceu. Definições tais como estas apenas os limitam. É isso que queremos partilhar com vocês, o que sugerimos é que vocês aprendam a abrir mão dessas limitações.

Em muitos casos, é simplesmente outro modo de dizer: sigam a sua alegria. Sigam a sua emoção do melhor modo de que sejam capazes, porque a sensação que vocês chamam alegria, a sensação que chamam emoção, a sensação que chamam Amor Incondicional, é a freqüência da energia que representa o cerne verdadeiro e natural de seu Ser original.

Portanto, quando vocês agem em circunstâncias e oportunidades que trazem com elas o mais alto nível de alegria e emoção, estão dizendo que têm a fé para dar os passos para agir sobre seu verdadeiro Ser, e ao fazê-lo, sua realidade física, o espelho, vai apoiá-los porque não tem outra escolha.

Mais uma vez lhes agradecemos pela oportunidade de experimentar essa dádiva de partilhar com vocês!  

Compartilhar: