Ikigai: Como descobrir o nosso propósito de vida?

Ikigai

“O propósito da vida é descobrir o seu presente, tudo o que está dentro de você e como você pode utilizá-lo.”   William Shakespeare

 
A Ikigai (em japonês: 生き甲斐) é uma palavra japonesa que significa “uma razão para ser” ou “força motriz para viver”. Existem várias teorias sobre essa etimologia. De acordo com os japoneses, todos têm uma Ikigai. E descobrir qual é a sua requer uma profunda e, muitas vezes, extensa busca de si mesmo. Porém, essa busca é extremamente importante porque, somente a partir dela, é possível trazer satisfação e significado para sua vida.

Portanto, Ikigai é um estilo de vida que traga harmonia, longevidade e a satisfação plena nas diferentes áreas da vida, permitindo assim alcançar um propósito para a sua existência. Na sociedade moderna, a busca pelo sentido na vida está profundamente ligada ao entendimento de quem somos (nossas crenças, relacionamentos, cultura, formação, etc), mas também em boa parte sobre o que fazemos (profissão, vocação, trabalho, lazer, etc).

Assim, em muitos casos nossa percepção sobre nossa razão de ser dificilmente estará completa sem encontrarmos consonância entre o que somos e o que fazemos. Em outras palavras, em um mundo no qual nossa identidade apresenta uma profunda correlação entre o ser humano e seu trabalho, são poucas as pessoas que se sentem felizes e com seu propósito realizado sem ter compreendido aspectos pessoais e profissionais.

Por isso mesmo, no círculo Ikigai observamos a clara correlação entre estes aspectos, ajudando a compreender e detalhar cada um deles. Não se trata de definir o ser humano por meio de seu trabalho, algo que poderia soar como alienante e utilitarista. Longe disso, a proposta da filosofia Ikigai é a “desalienação” do trabalho enquanto obrigação social, para uma visão mais humana, na qual podemos encontrar sentido e satisfação naquilo que realizamos.

E como descobrir a nossa própria Ikigai?

Para encontrar um propósito, os especialistas recomendam começar com quatro perguntas:

  • O que você ama? (Corresponde a sua paixão)
  • No que você é bom? (Diz respeito a sua profissão)
  • O que o mundo precisa? (Relaciona-se com a sua missão)
  • Pelo que você pode ser pago? (Corresponde a sua vocação)

Para ajudar a esclarecer cada um desses aspectos fundamentais, também será útil questionar:

O quanto você tem consonância entre o que faz e o que sente?
Perceba o que você sente quando faz algo. Quando está realizando alguma atividade e percebe que aquilo te dá prazer, que sente amor pelo que faz, você está dando o primeiro passo para descobrir a sua ikigai.

Por que você faz o que faz?
Encontrar o próprio propósito implica ter conhecimento do que estamos fazendo e o que isso causa no meio à nossa volta – o impacto das nossas ações. Então, quando você faz alguma coisa consciente do bem que está gerando, está no caminho ideal.

O quanto você está disposto a ser excelente?
O quanto você está disposto a investir para ser realmente bom naquilo que você faz? Se você não ama o que faz e não sabe por que faz, dificilmente você se diferenciará nas suas tarefas. Excelência, na visão japonesa, não significa perfeição. Perfeição vem de “prefatto”, aquilo que está pronto. Nós nunca estamos prontos. Excelência é um caminho, a escolha de dia após dia, buscar se aprimorar.

Enfim, Ikigai é um convite para se autoconhecer, não é necessário encontrar todas as respostas de uma só vez. Pelo contrário, é mais produtivo levar seu próprio tempo. Ao longo dos dias observe a si mesmo de forma sincera e faça anotações de todas as informações que surgirem, se necessário peça ajuda a amigos e familiares.

Caso não encontre nenhuma evidência não se desespere, apenas deixe fluir, todo processo de autoconhecimento leva tempo. Às vezes, ao longo da nossa vida, encontramos o nosso propósito de forma tão intensa e enfática que não há como voltar atrás. Será um momento onde não haverá outra escolha a não ser segui-lo.

Compartilhar: