O poder místico da coruja

corujaharryA coruja é a ave soberana da noite. Para muitos povos ela significa mistério, inteligência, sabedoria e conhecimento. Ela tem a capacidade de enxergar através da escuridão, conseguindo ver o que os outros não veem. A coruja simboliza a reflexão e o conhecimento racional e intuitivo. Na mitologia grega, Atena, a deusa da sabedoria e da guerra, tinha a coruja como símbolo. Atena ficou tão impressionada com a aparência da coruja, que a tomou como sua ave favorita.  Ela é também escolhida como mascote dos escoteiros, cursos universitários de Filosofia, Pedagogia e Letras.

Havia uma tradição que dizia que quem come carne de coruja, adquire seus dons de previsão e clarividência, mostrando poderes divinatórios. Enquanto todos dormem a coruja fica acordada, com os olhos arregalados, vigilante e atenta aos barulhos da noite. Por isso, representa para muitas culturas uma poderosa e profunda conhecedora do oculto. A coruja tem a particularidade de conseguir girar o pescoço – quase atingindo um ângulo de 360º – para observar ao seu redor, permanecendo com o resto do corpo sem o menor movimento. O que amplia seu angulo de visão, muito superior ao do ser humano. Sua grande capacidade de visão e audição as tornam exímias caçadoras.

Conta-se, que em uma língua nórdica antiga, ela era chamada de Ugla, palavra que imita o som do seu canto, e que daria origem ao termo Ugly, feio em inglês. É interessante que ao identificar um animal para símbolo disso ou daquilo, a cultura universal escolhe àqueles de aparência exótica. Como o sapo, símbolo da fartura e boa sorte, e a águia símbolo da transformação do ser humano. Conforme a história, diferentes civilizações adotaram animais diferentes para simbolizar a sabedoria. Como a tartaruga para os chineses e o peixe para os Celtas.

No esoterismo que envolve parte da simbologia da Coruja, encontramos uma sociedade secreta chamada Bohemian Club, fundada em 1872, em São Francisco, EUA, onde os membros se reúnem periodicamente. Anualmente, a sociedade convida para uma grande e misteriosa reunião, homens poderosos da elite, e o encontro controverso é realizado em um bosque chamado Bohemian Grove, onde há uma grande pedra em forma de coruja no centro.

O termo coruja, geralmente também é usado para referir-se ao pai ou a mãe, que ressaltam com certo exagero as qualidades dos filhos, mas também é estendido aos avós, tios e outros familiares.
 

A coruja nas mais diferentes culturas:

África do Sul: A coruja é o mascote do feiticeiro Zulu. E no xamanismo é reverenciada por enxergar a totalidade.

Argélia: A crença diz que colocar o olho direito de uma coruja na mão de uma mulher dormindo, fará com que ela conte segredos.

Austrália: Os aborígenes acreditam que a coruja representa o espírito da mulher. O espírito do homem é representado pelo morcego.

Babilônia: Origem do mito de Lilith, onde amuletos de coruja protegiam as mulheres durante o parto. O mito foi citado pela primeira vez no épico Gilganesh, escrito em 2000 A.C. . Lilith era uma linda jovem com pés de coruja, que denunciavam sua vida notívaga. Ela era uma vampira da curiosidade, que dava aos homens o desejado leite dos sonhos.

Brasil: Matita Perê é uma velha vestida de preto, com os cabelos caídos pelo rosto. Diz a lenda, que ela tinha poderes sobrenaturais e preferia aparecer nas noites sem luar, sob a forma de coruja. Na tradição guarani, o espírito Nhamandu, o criador, manifestou-se na forma de coruja para criar a sabedoria. No dicionário, o adjetivo corujeiro é um elogio, e significa agradável e, o melhor, disposto a tudo. No folclore brasileiro, diz que para que os seus filhotes não fossem vítimas de predadores, ela avisava que seria fácil reconhecê-los, eles eram os “mais bonitos” da floresta. Daí o dito popular: “Toda a coruja gaba-se do seu toco“, referindo-se ao ninho de seus filhotes. Assim como uma mãe elogia seus rebentos, mesmo sabendo que eles não têm tanta beleza.

China: A coruja está associada ao relâmpago. Usar imagens de coruja em casa protege contra os raios.



Estados Unidos: A tradição dos índios norte-americanos, diz que a coruja mora no Leste, lugar de iluminação. Assim como a humanidade teme a escuridão, a coruja enxerga o breu da noite. Onde os humanos se iludem, ela percebe com clareza, acreditavam os índios. Entre os índios americanos, a coruja tinha muito poder: para os apaches, sonhar com ela significava a morte. Os dakotas viam a coruja como um espírito protetor. Os hopis tinham a coruja como guardiã do fogo.

França: A coruja é o símbolo de Dijon, cidade francesa. Há uma escultura de coruja na Catedral de Notre Dame, onde “quem passa a mão esquerda nela ganha sabedoria e felicidade”.

Grécia: Os gregos consideravam a noite o momento propício para o pensamento filosófico. Por sua característica noturna, era vista pelos gregos como símbolo da busca pelo conhecimento. Elas faziam seus ninhos na Acrópole e os gregos achavam que sua visão noturna vinha de uma luz mágica. Ela era símbolo de Atenas, ao lado dos exércitos, na guerra. As antigas moedas gregas (dracmas) tinham uma coruja cunhada no verso.

Índia: Sua carne é considerada uma iguaria afrodisíaca. E também serve para curar dores reumáticas.

Inglaterra: A coruja branca servia para que os ingleses pudessem prever o tempo. Quando a ouviam guinchar, significava que iria esfriar, ou que uma tempestade estava vindo. Os curandeiros curavam a bebedeira e a ressaca, com ovos de coruja crus. O costume britânico de pregar uma coruja na porta do celeiro para espantar o mal, durou até o século XIX.

Marrocos: O olho de uma coruja, preso em um cordão no pescoço, é um excelente talismã.

Peru: Cozido de coruja serve de remédio para quase tudo.

Roma Antiga: No Império romano, ela era tida como animal agourento. Ouvir o seu pio era presságio de morte iminente. As mortes de Júlio César, Augusto, Aurélio e Agripa, foram anunciadas por uma coruja.
 
Todos os animais são verdadeiros mestres e possuem ensinamentos incríveis pra nos oferecer. Devemos aprender com a coruja e expandir nossa visão, alumiando a escuridão com clareza e conhecimento, pois a verdadeira sabedoria se encontra na capacidade de enxergar além do nosso próprio alcance.
 
(Texto de Betty Ziade | Via: Gazeta de Beirute)
 

Compartilhar: